RUINART CELEBRA ARTE

RUINART, PONTO DE ENCONTRO DA ARTE CONTEMPORÂNEA

Primeira casa de Champangne, criada no Século das Luzes, em plena efervescência cultural e artística, Ruinart sempre manteve-se na vanguarda. Desde vários anos, a casa exprima o seu modernismo e a sua história através dos olhos dos artistas contemporâneos. Em 1896, Ruinart solicitou pela primeira vez um artista, e foi o tcheco Alphonse Mucha que ilustrou um anúncio que marcou a primeira colaboração entre a famosa casa de champanhe e um artista. As Obras resultando destas diferentes colaborações; pinturas, esculturas, instalações, fotografias, peças de design, contam o ambiente do domínio, o saber-fazer da propriedade, as míticas cuvées…

Assim, cada ano desde 2008, Ruinart anuncia o nome de um artista contemporâneo que reinterpreta os valores da casa, através de uma visão criativa e singular. Beneficiando de uma carta-branca, o artista cria uma série de obras inspiradas pelas vinhas e a propriedade.

RUINART : AS PRECEDENTES
COLABORAÇÕES RUINART

Este ano, a Casa Ruinart decidiu colaborar com o artista britânico David Shrigley. Um artista conhecido por seu estilo singular de desenho e seus trabalhos com mensagens satíricas em relação com situações cotidianas. Os seus desenhos são sempre acompanhados de textos escritos à mão, com um sentido de humor, que celebram extratos de conversas ouvidas por mero acaso na rua. Embora o desenho seja central na sua prática, o artista utiliza muitos meios diferentes, incluindo escultura, instalação em grande escala, animação, pintura e cerâmica. Durante a sua visita à Ruinart, David Shrigley encontrou o mestre da adega, Frédéric Panaïotis, respirou a atmosfera das pedreiras de giz, observou os homens que lá trabalham. Após sua estadia, o artista entregou uma série de trabalhos (desenhos, cerâmicas, esculturas, luzes de néon, etc.) inspirados da sua visão das diferentes etapas de produção dos vinhos Ruinart.

david-s
O trabalho evoca o rico terroir de Champagne. As minhocas são estes seres naturais, invisíveis, trabalhadores na vinha. Eles arejam o solo, permitindo a alimentação das videiras. David foi fascinado por este pássaro que voa sempre sobre a vinha e que cai num estado de meditação.
Numa casa de champanhe, a vindima é um momento de muita dedicação, técnico. É dirigida por pessoas qualificadas. Aqueles que não têm essas capacidades não podem participar à colheita. Aqui o David está a gozar com um caçador de uvas descuidado.
Este desenho poético evoca a arte e o saber-fazer do mestre da adega (representado pelo pássaro azul) que seleciona apenas as melhores uvas para a elaboração dos vinhos.
Este desenho lembra a triagem das uvas o saber-fazer do mestre da adega. Cada garrafa tem o especto semelhante, mas são todas únicas.
David Shrigley ficou fascinado pelos labirintos de caves de giz escavadas a mão nas profundezas de Reims. Um sítio onde os vinhos da Casa de Ruinart são produzidos e envelhecidos.O artista desejou esculpir em relevo nas paredes de giz, exprimindo sua visão da produção dos vinhos Ruinart: um empilhador utilizado para transportar as garrafas, uma lavadora de uva… Ou seja a sua representação dos homens que lá trabalham e sua agitação.
David Shrigley expressa o seu talento artístico de várias maneiras: na arte do néon, da cerâmica, ... Estas obras encorajam os visitantes a questionar as diferentes formas de percepção destes conteúdos poderosos. Atrás de cada garrafa, o artista revela histórias e emoções escondidas. Estas obras concebidas pelo artista, foram criadas por artesãos baseados em Brighton.
Descubra o designer que acompanha este ano a Casa Ruinart numa nova colaboração artística, retraçando a história e o espirito da casa.

AS PRECEDENTES
COLABORAÇÕES RUINART

2008/2009

MAARTEN BAAS

Le bouquet de Champagne

2010

NACHO CARBONELL

Diversity

2011

GIDEON RUBIN

Portraits de Famille

2012

HERVÉ VAN DER STRAETEN

Miroir

2013

PIET HEIN EEK

L'Arche

2014

GEORGIA RUSSEL

Le Grand Livre

2015

HUBERT LE GALL

Le Calendrier de Verre

2016

ERWIN OLAF

Light

2017

JAUME PLENSA

Dom Ruinart

2018

LIU BOLIN

La Trace Invisible du Travail de l'Homme

2019

VIK MUNIZ

Racines communes